Virtude do Autocontrole

A Virtude do Autocontrole é, para mim, uma das mais importantes a serem trabalhadas em nossas vidas e na das crianças!

Bem, não só “para mim”. Na verdade a Temperança e o Autocontrole já eram colocados entre as principais virtudes e disposições humanas lá atrás por Platão e Aristóteles, e antes ainda nos textos bíblicos onde Deus ensinava a seu povo os princípios que deveriam seguir para desfrutar uma vida plena e abençoada.

DICA #1 – AVALIANDO

Sugiro um pequeno teste para que você avalie a questão do autocontrole. Antes, porém, é importante considerar:

O que seria o autocontrole?

Geralmente a imagem que temos de uma pessoa descontrolada é de alguém gritando e agindo como quem perdeu a razão. O autocontrole, no entanto, abrange muito mais porque é a habilidade de controlar a si mesmo em todas as áreas:  controlar a si mesmo para não comprar por impulso, não comer por gula, não falar mais do que deveria, e até mesmo não se entristecer sem razão. Trata-se de não agir com base naquilo que eu sinto vontade de fazer, e sim com base em minhas convicções de qual é a atitude certa para cada momento.

Fácil? Certamente não. Muito menos quando vivemos em meio a uma sociedade que a todo tempo promove exatamente o oposto: a vitória das paixões sobre os princípios.

“Você deseja? Faça!”

“Siga o seu coração”

“Coma! Compre! Liberte-se! Experimente!”

As consequências de uma vida baseada em satisfação imediata dos desejos todos nós sabemos. O problema é que quem incentiva essa “liberdade” não estará lá para ajudar aquele que se tornou escravo dos seus desejos e vontades.

Infelizmente, para as crianças de hoje talvez seja ainda pior. Isso porque a maior parte de nós, adultos, chegamos a viver a experiência de precisar esperar pelo doce no fim de semana, esperar chegar a idade certa para poder usufruir de certos privilégios, até mesmo esperar chegar meia-noite para poder usar a internet. Já as crianças do nosso tempo atual, ao contrário, têm tudo ao alcance das mãos – e não raro no instante em que exigem.

Mas quem estará lá para socorrê-las quando colherem as consequências de um caráter moldado sem qualquer autocontrole? E quando se perceberem incapazes de resistir aos apelos e tentações que o mundo oferece? E quando cederem a desejos que lhes trarão perdição?

Durante o mês de setembro conversaremos, no Projeto Virtude do Mês, sobre como podemos trabalhar a virtude do Autocontrole com as crianças.

O primeiro desafio é o pequeno teste que eu mencionei no início. Então convido você a pegar um papel e um lápis e anotar sua resposta a essas duas perguntas:

  1. De 0 a 10, que nota eu daria para meu filho (ou para cada um dos meus filhos), quanto à habilidade que ele tem de controlar a si mesmo?
  2. De 0 a 10, que nota eu daria a mim mesmo quanto à minha habilidade de exercer o controle sobre os meus impulsos e agir conforme o que é o certo a ser feito, não o que eu tenho vontade?

Ao pensar nessas questões você pode tentar lembrar-se de áreas específicas, mas a ideia aqui é considerar o princípio geral de agir conforme o que é certo para aquele momento, não conforme o que se tem vontade de fazer. Nesse caso, ZERO seria a nota para uma pessoa que sempre é guiada por seus impulsos e desejos, e DEZ seria a nota para uma pessoa que sempre consegue deixar de lado sua vontade e simplesmente agir conforme o que o é o certo a se fazer. Claro, entre 0 e 10 existem os outros números para você considerar também.

Em seguida, sente-se com a criança para conversar sobre o que seria a Virtude do Autocontrole, quais as consequências quando uma pessoa não consegue controlar a si mesma, e peça que ela faça uma autoavaliação, considerando em que lugar ela estaria nessa escala de 0 a 10 quanto a essa virtude.

O primeiro passo para trabalhar uma virtude com a criança e ajudá-la a compreender que esse será um alvo pelo qual ela mesma deve se empenhar. Uma área que ela sabe que tanto os pais quanto ela mesma trabalharão para desenvolver e melhorar a cada dia.

Nosso propósito, ao longo deste mês, será ensinar à criança que treinar o governo da própria vontade não é castigo, é dádiva. E que aquele que controla a si mesmo, esse sim é livre para desfrutar de tudo aquilo para o qual foi criado. Esse sim é livre para viver!

DICA #2 – ENSINANDO

Pois bem. Assim como no caso da virtude da Obediência, que trabalhamos no mês passado, a ideia é que o primeiro passo para trabalhar com a criança é ensinando a ela sobre o que é e qual a importância do autocontrole nas nossas vidas.

E, como vocês já sabe, a melhor forma de ensinar um princípio é começar contando… Exatamente! Uma história. Na verdade, no caso da virtude do Autocontrole, certamente existem MUITAS histórias reais – situações do dia a dia mesmo – que você poderia contar para explicar às crianças por que é tão importante sabermos controlar a nós mesmos.

Como já contei, dos livros que trabalhamos no Programa Valores e Virtudes, a história de Pinóquio é a que mais trata da questão de Autocontrole. Durante todo o livro acompanhamos o pequeno boneco de madeira lutando contra seus impulsos até aprender a agir fazendo o que é certo, não o que tem vontade.

Para quem ainda não trabalha com o livro, separei duas pequenas historinhas para ajudá-los neste desafio. Me digam o que vocês acham 🙂

Ver as histórias

DICA #3 – MEMORIZANDO

semana passada a dica foi explicar bem para as crianças a ideia do que é o Autocontrole e combinarem que essa será uma área a ser trabalhada no seu caráter, ensinando tanto por meio dos textos bíblicos como pelas histórias.

Depois disso, o desafio é trazer essa verdade para o coração. Como falei no mês passado, essa é a ideia de “decorar”: ter guardado no coração.
Por isso, o desafio dessa semana é o da memorização (que eu sei que algumas pessoas até já fizeram) do nosso versinho da virtude:

Não sei se você já leu sobre isso (ou se já estudou nas nossas videoaulas do Estudo das Virtudes ), mas Autocontrole é o nome mais contextualizado da Virtude da Temperança, que é uma das quatro virtudes cardeais, também conhecida com Moderação, e a essência dessa virtude é a luta contra os impulsos da nossa vontade ou das nossas reações, seja quanto à comida, bebida, uso do celular, jogos, ou mesmo a ira.

A parte interessante, quando estudamos essa virtude em Aristóteles, é que a moderação é o ponto de equilíbrio entre os excessos e a insensibilidade. Quer dizer, é bom desfrutarmos com prazer daquilo que foi criado para esse fim. Seria terrível ser uma pessoa que não sente prazer em nada, não é?

O problema então está no excesso: o ser controlado por esses prazeres e vontades. Esse é o problema que procuramos vencer por meio do exercício do autocontrole.Mas, se você já tentou, como todos nós, lidar com algum área da sua vida nesse sentido, sabe que não é tão simples assim. Por isso na semana que vem o desafio será para ajudar a criança nessas pequenas batalhas para desenvolver a virtude do autocontrole.Por enquanto, vamos memorizar com elas esse versinho?

(Se você ainda não adquiriu os cartões das virtudes corre lá, porque tem um vídeo onde eu explico a “historinha” das imagens de cada cartão para motivar as crianças a colocar em prática também. =)