Almanzo e os Potrinhos

Trecho extraído e adaptado do livro “O jovem fazendeiro”, de Laura Ingalls Wilder

Almanzo era um garotinho que vivia em uma fazenda com família. Ali, cada um tinha suas responsabilidades e tarefas a cumprir; mesmo Almanzo que tinha apenas oito anos. Uma de suas tarefas era fazer a limpeza dos estábulos onde ficavam os cavalos – os animais que Almanzo mais amava e que sonhava um dia poder cuidar.

Quando Almazon entrava nos celeiros, passava sempre pela pequena porta do Curral dos Cavalos. Gostava de cavalos. Ali ficavam eles, em suas baias espaçosas, limpos, lustrosos, de um marrom-brilhante, com suas compridas caudas e crinas negras.

Os cavalos trabalhadores, tranquilos e prudentes ruminavam placidamente o seu feno. Os de três anos enfiavam os focinhos através das grades e pareciam murmurar entre si. Então, suavemente, fungavam um sobre o pescoço do outro; um deles fingia morder e todos relinchavam, rodopiavam e pulavam, brincando. Os cavalos velhos viravam a cabeça e olhavam como avós para os netos. Mas os potros corriam animados, em suas patas magras, olhando espantados.

Todos conheciam Almanzo. Esticavam as orelhas e seus olhos brilhavam suavemente quando o viam. Os de três anos avançavam sofregamente e enfiavam as cabeças para fora a fim de acariciá-lo com o focinho. Seus focinhos, com alguns poucos pelos duros, eram macios como veludo, e nas testas os pelos finos e curtos eram lisos como seda. Os pescoços arqueavam-se altivamente, firmes e redondos, e as crinas negras caíam sobre eles como pesadas franjas. Era possível passar a mão ao longo daqueles pescoços firmes e curvados, sentindo o calor que havia por baixo da crina.

Mas Almanzo dificilmente se atrevia a fazê-lo. Não lhe permitiam tocar os belos cavalos de três anos. Não podia entrar em seus estábulos nem mesmo para limpá-los. Ele só tinha oito anos e o pai não o deixava lidar com os cavalos jovens ou com os potros. O pai ainda não confiava nele, porque os potros e os cavalos novos, não amansados, tornam-se não adestráveis com muita facilidade.

Um menino que não entende do assunto podia assustar um cavalo novo, ou aborrecê-lo, ou mesmo bater nele, e isso o estragaria. Aprenderia a morder, a pular e a odiar as pessoas, e então nunca seria um bom cavalo.

Almanzo entendia do assunto; nunca assustaria ou magoaria nenhum daqueles belos potros. Sempre se mostraria tranquilo, gentil e paciente; não espantaria um potro nem gritaria para ele, nem mesmo se lhe pisasse o pé. Mas o pai não acreditava nisso.

Almanzo, portanto, só podia ficar olhando com vontade para os ansiosos cavalos de três anos. Apenas lhes tocava os focinhos aveludados e depois se afastava rapidamente deles e enfiava seu camisolão de celeiro por cima de suas boas roupas de escola para começar a trabalhar.

O jovem fazendeiro – Laura Ingalls Wilder
Edições Best Bolso

***

Selecionei esse trecho do livro como história para iniciar a conversa com as crianças ao ensinar sobre a Virtude da Obediência, como sugerido no nosso Projeto Virtude do Mês.

Depois de ler a história é interessante conversar com as crianças:

  • Por que Almanzo não podia entrar para brincar e nem mesmo tocar nos potrinhos e cavalos jovens?
  • Por que o pai de Almanzo não permitia que ele se aproximasse dos potrinhos, mesmo Almanzo já sabendo o que não deveria fazer?
  • Mesmo achando que sabia como agir, por que Almanzo não entrou no estábulo dos cavalos jovens?

O pai de Almanzo sabia que se um daqueles potrinhos ou cavalos jovens se tornasse não adestrável a família teria um grande prejuízo. Almanzo tinha certeza de que ele sabia agir do jeito certo, mas muitas vezes nós achamos que sabemos algo que ainda não sabemos bem. Quando os pais dizem o que você deve fazer ou não fazer, os filhos precisam confiar que os pais sabem o que estão dizendo. Eles já foram crianças e adolescentes também, e eles sabem como as coisas são. Além disso, Deus mesmo é quem dá sabedoria aos pais para tomar as decisões quanto ao que é melhor para os filhos. É por isso que Ele deixou como mandamento que os filhos obedeçam aos pais. Quando uma criança é obediente, fazendo aquilo que seus pais dizem, Deus abençoa a sua vida e a ajuda a crescer cada vez mais sábia e feliz.

Katarine Jordão