Mural para incentivar a virtude da Fortaleza

Oi, gente! Como falei na Dica #4 da Virtude da Fortaleza, do Projeto Virtude do Mês, aqui está o modelinho de mural para ajudar a motivar a criança a se manter forte.

Nesse arquivo eu coloquei duas frases diferentes para que você escolha qual é melhor para o caso de cada criança. Em uma o foco está em ser forte para enfrentar os medos, na outra em ser forte para permanecer firme mesmo quando algo for difícil.

Também deixei um em branco, para o caso de você ter uma frase que se encaixe melhor da sua realidade.

Lembrando que você tem aqui dois tipos de contagem de dias. Com as crianças eu sempre uso períodos curtos, como esse de sete dias. Mas quando trabalho com adolescentes (ou comigo mesma, em meus desafios nas áreas em que preciso trabalhar meu caráter), uso o calendário de 30 dias mesmo.

Espero que seja útil para vocês! =)

Um abraço,

Katarine

Ainda não está participando do nosso projeto? Clique para saber mais e receber por email as nossas dicas e desafios.

Projeto Sala dos Professores

Desde que iniciamos o Programa Valores e Virtudes, volta e meia recebo alguma mensagem perguntando como adquirir a licença para trabalhar o material do Estudo das Virtudes com grupos (na sala de aula, na igreja ou até com as crianças do bairro).

Bem, na semana passada a Julie, uma de nossas entusiasmadas alunas aqui da Academia, divulgou no Instagram a ideia de que os pais poderiam adquirir o material, imprimir e dar de presente para o professor dos seus filhos.

Essa ideia dela me fez pensar em um formato para atender aos que gostariam de uma licença para impressão de maior quantidade do Material do Aluno, e foi assim que criei aqui o Projeto Sala dos Professores do Programa Valores e Virtudes.

Se você tem interesse em fazer o Estudo das Virtudes com um grupo, a partir de hoje você pode adquirir o material com uma licença especial conforme a quantidade de crianças com quem você de crianças com quem você deseja trabalhar. Além do material normal você receberá um arquivo personalizado para impressão e acesso ao nosso grupo “Sala dos Professores”, onde trocaremos ideias sobre como trabalhar as virtudes em grupo e aulas especiais para quem trabalha como professor de uma turma ou voluntário em um projeto especial.

Para participar, basta escolher a licença que você deseja adquirir.

Após o pagamento você receberá o acesso à plataforma onde poderá fazer o seu cadastro para receber seu arquivo personalizado e o link para o nosso grupo no Telegram.

Licença para trabalhar com grupo de até 15 alunos – 75 reais – Mais informações

Licença para trabalhar com grupo de até 30 alunos – 113 reais – Mais informações

Licença para trabalhar com grupo de até 50 alunos -163 reais – Mais informações

Histórias sobre Fortaleza

Neste mês de Outubro estamos trabalhando, no Projeto Virtude do Mês, sobre a Virtude da Fortaleza.

Creio que essa virtude abrange pelo menos duas bem específicas:

A CORAGEM para enfrentar seus medos ou dificuldades da vida;

A PERSEVERANÇA para continuar lutando sem desistir.

Como muito se diz, precisamos ensinar às crianças que coragem não é ausência de medo. Todos nós temos medo do que parece maior do que nós. A coragem é aquela decisão que tomamos de ir em frente com medo mesmo, e no processo descobrir que podemos lutar.

Ao ensinar as crianças sobre a Fortaleza, creio que o texto bíblico que primeiro nos vem à mente é aquele do momento em que o jovem Josué sente medo diante da imensa responsabilidade de recebia de liderar todo o povo de Israel nas batalhas contra os povos inimigos. Naquele momento Deus diz:

“Não to mandei eu? Sê forte e corajoso. Não temas nem te espantes porque o Senhor, teu Deus, é contigo, por onde quer que andares”. (Josué 1:9)

Esse é o princípio fundamental para manter em mente enquanto ensinamos as crianças. Podemos decidir ser fortes em situações difíceis e muitas pessoas – como veremos nas histórias a seguir – de fato decidem e se tornam mais fortes a cada novo desafio.

Mas é tão maior a força que encontramos quando nos lembramos que Deus estará conosco por onde formos! Quer verdade mais profunda para se sentir motivado a tomar decisões e atitudes difíceis do que essa? Se é a decisão correta, Deus estará lá!

HISTÓRIAS SOBRE FORTALEZA

Eu creio que nada melhor para trabalhar a Fortaleza do que as histórias reais de pessoas que foram fortes. Os heróis que eu citei no email que enviei hoje com a Dica #3.

Existem muitas histórias assim e hoje eu quero indicar duas aqui.

A primeira é a história de Sam Berns, um jovenzinho que possui uma doença rara. Eu assisti a mini palestra que ele fez sobre o que ele pensa e faz para ter uma vida feliz, e, como sempre, senti vergonha de todas as vezes em que eu já reclamei dos meus próprios problemas.

Esse vídeo é interessante para trabalhar o assunto especialmente com as crianças acima de de 10 anos, eu creio. Mas veja antes o vídeo para decidir se você considera uma boa estratégia para trabalhar:

SAM BERNS – MINHA FILOSOFIA PARA UMA VIDA FELIZ

Outra história que sempre me vem à mente quando penso em Fortaleza, especialmente ao conversar com crianças pequenas, é (mais) um trecho do livro “O jovem fazendeiro”.

Quando li essa parte do livro eu pensei no quanto nós nos deixamos enfraquecer por viver buscando uma vida cada vez mais confortável e fácil. Como perdemos ao evitar as dificuldades – nossa e das crianças a quem queremos tornar fortes…

Vou digitar aqui essa parte da história para vocês:

A GEADA E O MILHO

Adaptado do livro “O jovem fazendeiro”, de Laura Ingalls Wilder

Faltavam três dias para o Dia da Independência, que era a 4 de julho. Depois faltava só um dia e naquela noite Almanzo teve de tomar banho, embora não fosse sábado. Na manhã seguinte iriam todos à comemoração, em Malone. Almanzo mal podia esperar até a hora de partirem, Haveria uma banda, discursos e canhões seriam disparados.

O ar estava parado e frio naquela noite e as estrelas tinham uma aparência invernosa. Depois do jantar o pai foi novamente aos celeiros. Fechou as portas e as pequenas janelas de madeira das baias dos cavalos e pôs as ovelhas com os cordeirinhos no aprisco.

Quando entrou, a mãe perguntou se já estava mais quente. O pai balançou a cabeça:

– Creio que vai gear – disse ele.

– Ora, claro que não! – replicou a mãe. Mas parecia preocupada.

Em determinado momento da noite Almanzo sentiu frio, mas estava com muito sono para fazer alguma coisa. Então ouviu a mãe chamar:

– Royal! Almanzo!

Ele estava sonolento demais para abrir os olhos.

– Meninos, levantem-se! – chamou a mãe – O milho está congelando!

Almanzo pulou para fora da cama e enfiou as calças. Não conseguia manter os olhos abertos de tanto sono. Suas mãos moviam-se desajeitadamente e grandes bocejos quase lhe deslocaram o maxilar. Desceu as escadas cambaleando atrás de Royal.

A mãe e as duas meninas, Eliza Jane e Alice, estavam vestindo suas saias e xales. A cozinha estava fria; o fogo não fora aceso. Lá fora tudo parecia estranho. O capim estava branco de geada e uma fria faixa verde surgia no lado oriental do céu, mas o ar estava escuro.

O pai atrelou Bess e Beleza à carroça e Royal bombeou água até encher a tina. Almanzo ajudou a mãe e as meninas a trazerem tinas e baldes e o pai colocou barricas na carroça, Encheram de água as tinas e as barricas e foram andando atrás da carroça até o campo de milho.

Todo o milho estava congelado. As pequenas folhas estavam enrijecidas e se quebravam quando alguém as tocava. Somente a água fria salvaria a vida do milho. Cada montinho deveria ser molhado antes que o sol o tocasse, pois do contrário as plantinhas morreriam e não haveria colheira de milho naquele ano.

A carroça parou na extremidade do campo. O pai, a mãe, Royal, Eliza, Alice e o pequeno Almanzo encheram seus baldes de água e todos trabalharam o mais depressa que podiam.

Almanzo tentava apressar-se, mas o balde era pesado e suas pernas, curtas. Seus dedos úmidos estavam gelados, a água pingava-lhe nas pernas e sentia-se terrivelmente sonolento. Tropeçava ao longo das fileiras e em cada montinho de milho derramava um pouco de água sobre as folhas congeladas.

O campo parecia enorme. Havia milhares e milhares de montinhos de milho. Almanzo começou a sentir fome. Mas não podia parar para queixar-se. Tinha de se apressar, e se apressar, e se apressar para salvar o milho.

O verde, no oriente, tornou-se vermelho. A cada momento a luz aumentava. A princípio a escuridão fora como uma neblina sobre o campo interminável. Agora Almanzo podia enxergar até o fim das compridas fileiras. Procurou trabalhar mais depressa.

Num instante a terra passou de negra a cinzenta. O sol estava chegando para matar o milho.

Almanzo correu para encher seu balde; voltou correndo. Corria ao longo das fileiras, espalhando água sobre os montinhos de milho. Seus ombros doíam, o braço doía e ele sentia uma dor na cintura. A terra macia prendia-lhe os pés. Estava terrivelmente faminto. Mas cada jorro de água salvava um montinho de milho.

Agora, à claridade cinzenta, o milho produzia pálidas sombras. E, de repente, o sol cobriu o campo.

– Continuem! – gritou o pai.

Todos, portanto, continuaram. Ninguém parou. Mas pouco depois o pais desistiu.

– Não adianta mais! – exclamou.

Nada poderia salvar o milho depois que o sol o tocasse.

Almanzo pôs seu balde no chão e esticou o corpo para aliviar a dor que sentia nas costas. Olhou o campo de milho. Os outros também olhavam e nada diziam. Haviam regado quase três acres. Restara apenas um quarto de acre. Esse estava perdido.

Almanzo foi cambaleando até a carroça e subiu nela.

O pai disse:

– Sejamos gratos por termos salvado a maior parte.

Foram sonolentamente até os celeiros. Almanzo ainda não estava inteiramente acordado e sentia cansaço, frio e fome. Suas mãos executaram desajeitadamente as tarefas matinais.

Almanzo já estava tomando café quando se lembrou que era dia 4 de julho. Sentiu-se mais alegre. Era dia de passeio e festa!

E a maior parte do milho fora salva pela família.

***

Onde nasce a Fortaleza

Na quarta passada, quando contei a minha história sobre a decisão de me tornar uma pessoa mais forte (Dica 1), perguntei quais eram as histórias de vocês. E hoje, quando lia um dos emails, achei muito interessante a reflexão de que parece que a virtude da Fortaleza sempre nasce em meio ao nosso sofrimento.

É uma grande verdade essa, não é?

(E um grande problema também.)

Porque se pensarmos bem, só podemos nos tornar mais fortes quando enfrentamos as… dificuldades. É bem lógico isso. Como alguém que não tem dificuldades poderá se tornar forte?

E o primeiro problema é: quem está realmente disposto a passar pela dor? Não passamos a vida tentando evitar qualquer dificuldade ou sofrimento?

C.S. Lewis, o autor do nosso querido clássico “As Crônicas de Nárnia”, tem uma frase muito conhecida que diz que “o sofrimento é o megafone de Deus”. Porque é nestes momentos que a voz Dele parece mais alta e clara para nós. 

Na Educação por Princípios, uma das definições do princípio do caráter diz que nós somos moldados à imagem de Jesus por meio da pressão e do conflito.

Mas é aí que nasce o problema. Porque nossa cultura apregoa a fuga do sofrimento. Não suportamos sofrer e, de forma geral, não suportamos ver alguém sofrer.

E então nasce o segundo problema: como vamos forjar no caráter das crianças a Fortaleza, se tudo em nós diz que devemos evitar que elas sofram qualquer pressão, conflito ou dor?

Não existe crescimento sem dor. Mesmo os estudos exigem certo sofrimento, como temos dito tanto nosso curso “A educação do caráter e os estudos”. A questão é que se tornar uma pessoa forte começa com uma decisão. A decisão de não evitar os sofrimentos, problemas e conflitos, mas olhar para eles como uma oportunidade de sair mais forte, mais sábio e mais experiente para ajudar aos outros e cumprir sua missão no mundo.

Então a dica de hoje na verdade é um desafio de pensar em uma frase que resuma sua resolução de não criar expectativas de uma vida fácil. Ao contrário, decidir aceitar que viver é lidar com momentos felizes mas também com os problemas e dores que nos farão crescer – e que precisamos permitir que as crianças também passem por seus problemas e dificuldades se realmente esperamos que elas cresçam fortes e valorosas para ser luz no mundo e servir aos outros e a Deus.

Nos vemos em breve,

Katarine Jordão

P.S.: Se você também quer receber os emails com as reflexões e desafios do Projeto Virtude do Mês, clique aqui para se inscrever e participar.

Presente!!!

Bom dia, gente!!

Preparados para mais uma semana?

Hoje eu vim contar de uma promoção relâmpago aqui do Educar com Sapiência.

Fiz uma promoção especial para o nosso grupo VIP dos inscritos para receber nossos emails com conteúdos como as dicas do Projeto Virtude do Mês, e como ainda temos alguns dos cupons eu estou abrindo hoje aqui para todo mundo.

Então se você gostaria de trabalhar as virtudes com as crianças a partir da leitura de livros clássicos, aqui está!

O pacote com todos os materiais do Programa Valores e Virtudes (incluindo o curso Leitura em Voz Alta) geralmente sai de R$ 350,00 por R$ 280,00 reais. Maaas…

Com o cupom AMOESTUDAR você adquire todos por somente R$157,00!!

( Só temos 25 cupons! Garanta o seu!)

Ao adquirir você receberá:

  • Estudo das Virtudes – Introdução ao programa: (material do aluno em PDF + material do professor em PDF + acesso às videoaulas sobre o estudo das virtudes) – mais informações aqui.
  • Guias de leitura e estudo das virtudes (material do aluno em PDF + material do professor em PDF) dos livros: Pinóquio, O mágico de Oz, Heidi, O jovem fazendeiro e O vento nos salgueiros) – mais informações aqui
  • Curso Leitura em Voz Alta (curso com 10 videoaulas + vídeos de exercícios para treino da leitura + livro em PDF “Leitura em voz alta: ideias para inspirar”) – mais informações aqui

Temos só mais alguns cupons, então garanta o seu (clicando abaixo você já tem o desconto aplicado):

COMPRAR O PACOTE COMPLETO EM PROMOÇÃO

Mural para acompanhar a virtude do Autocontrole

Oi, gente! Como falei na Dica #4 da Virtude do Autocontrole, do Projeto Virtude do Mês, aqui está o modelinho de mural para ajudar a motivar a criança nessa pequena batalha contra os seus impulsos e vontades.

Não se esqueçam das duas orientações que enviei por email para focar no que você deseja trabalhar com a criança no momento, tá?

Um abraço,

Katarine

Ainda não está participando do nosso projeto? Clique para saber mais e receber por email as nossas dicas e desafios.