Você prefere ter filhos bons ou inteligentes?

Oi, gente!

Tempos atrás eu gravei um áudio sobre este assunto, mas acabei enviando só por email; não postei aqui. Hoje estava editando uma aula em que eu menciono essa questão da inteligência, e dei uma pausa no trabalho para compartilhar com vocês.

Se quiser ouvir, é só clicar no link abaixo:

A alegria de fazer parte da história de uma família!

Esses dias a Bia (Fabiana Camargo) comentou algo em um post e eu perguntei se ela poderia escrever para eu colocar lá na página do curso. Ela concordou, mas foi muito além e acabou escrevendo um texto tão lindo que vou postar aqui também, com o coração cheio de gratidão e alegria! 😊

****

Olá a todos! Já inicio meu depoimento dizendo que para mim é um desafio enorme ser breve, pois eu realmente teria muito a dizer sobre o curso: ”Como Ensinar a Estudar”:

Já na apresentação da professora tive um choque, fiz anotações importantes quanto a nossa rotina e logo vi que se tratava de muito mais do que grades curriculares, mas sim de educação em sua essência, de profundidade na busca de sabedoria, de amor ao aprendizado. Precisei então de um caderno só para o curso porque tudo é rico demais e precisa ser anotado, estudado, vivido!

Eu não tenho medo de dizer: O curso foi e está sendo um divisor de águas em nossa família. Sou formada em Comunicação Social, com bacharel em jornalismo, fiz também Letras e estou iniciando Pedagogia mas se somar todos esses anos de faculdade posso dizer com segurança que não me valeram tanto quanto o que aprendi e estou aprendendo nesse curso…

A Katarine Jordão tem uma linguagem muito didática. É de uma extrema dedicação a nos conduzir ao belo, ao bom e à verdade que a proporção de seus ensinamentos transbordam além do nosso lar.

Meu filho, Miguel, aos 9 anos de idade, tem transmitido tudo o que vem aprendendo para as crianças do condomínio em que moramos. Ele formou um clube de leitura e aplica com seus amigos tudo o que estamos aprendendo com a Katarine. As mães me procuram encantadas e maravilhadas com o fato de seus filhos estarem amando o clubinho de leitura… É assim: quando descobrimos algo de muita qualidade ela se torna como um lustre, além de nos iluminar, também é visível aos outros… Meu filho, ainda criança, sorri a cada aula e fala da professora como se ela fosse da família… Katarine tem aquele tempero do amor em ensinar, coisa rara nos dias de hoje, tesouro que deve ser apreciado! Suas dicas me pouparam de anos e anos de leituras que não nos seriam úteis…

Além de aprender muito, você investe em tempo, avança com seus filhos e evita um desperdício de capacidade intelectual dos seus filhos… A prevenção é, sem dúvida alguma, a melhor das escolhas… E não dá pra perder tempo com nossos filhos, eles crescem rápido, e nada como um curso desses para nos servir como setas neste caminho que nos exige tanto! Serei sempre grata por esta oportunidade!

Faço votos sinceros de que você, que me leu até aqui, não adie sua inscrição e logo faça parte desse grupo. Nós gastamos com tantas coisas nessa vida… Gastamos com coisas que logo deixam de existir… Mas o conhecimento é algo que poderemos deixar de herança pra nossa descendência, é algo eterno! Devemos priorizar esse tipo de investimento, aquele que nos eleva e que, desse modo, faz com que possamos verdadeiramente fazer a diferença na história dos nossos descendentes, deixando pra eles o maior legado que se possa receber: ”A Sabedoria”.

Fabiana Camargo.

Nova turma do Curso Ensinar a Estudar!!

Mais que tratar de estratégias de ensino e de estudo, precisamos considerar as questões de formação do caráter que envolvem o aprendizado e o próprio ato de estudar. A base da Educação é, antes de tudo, moral; e por mais que as pessoas tentem desvincular estes aspectos ao tratar das teorias e práticas de ensino, sem a devida compreensão da importância dos princípios e virtudes, não é possível realmente educar.

Assim, este curso é preparado para ajudar aqueles que desejam ensinar as crianças e adolescentes a adquirir as habilidades necessárias para serem capazes de estudar sozinhos, de forma que não estejam limitados à presença dos professores e pais, com ênfase na educação do caráter, a importância da devida formação leitora, e finalmente as estratégias envolvendo o ato de estudar.

Estou animada com a alegria dos alunos que já se inscreveram para esta turma!! Peço a Deus que seja de grande proveito para todos!! 😊📚💟

Para saber mais é só ir para a página do Curso.

proxima turma

O livro que deu início ao curso…

20180102_101309Encontrar esse livro foi como encontrar um tesouro!

Naquela época eu já andava às voltas com a questão: “Por que nós, professores, não ensinamos aos alunos COMO estudar?” Por isso me entusiasmei tanto quando encontrei esse pequeno guia com orientações básicas para quem quer se organizar nos estudos. Decidi então algumas das ideias para desenvolver um programa e ensinar meus alunos a estudar.

Com o tempo, porém, comecei a perceber que o projeto esbarrava em um grave problema: grande parte dos alunos tinha sérias dificuldades com leitura; liam devagar e com erros, ou não entendiam o que liam – o que os impedia de estudar sozinhos.

Uma segunda questão passou a me incomodar: “Por que nós, professores, nos empenhamos tanto na fase de decodificar letras e palavra (conhecida como alfabetização), mas não trabalhamos as demais etapas até que sejam leitores maduros?” Passei a pesquisar mais sobre a formação leitora e fiquei assombrada com a quanto havia para ensinar e não era feito (o que explica os baixíssimos níveis de fluência leitora em nosso país). Foi quando decidi investir na formação leitora das crianças, especialmente a fluência leitora.

Surgiu então o terceiro problema: percebi que a maior parte das crianças tinha dificuldades em algo que antecedia até mesmo o aprendizado da leitura. Uma criança, por exemplo, que desiste facilmente diante das dificuldades, não conseguia aprender a ler melhor ou estudar melhor, justamente porque todo aprendizado implica em transpor uma dificuldade, um desafio, um pequeno sofrimento. E elas desistiam. Comecei a trabalhar, tanto em sala de aula quanto na tutoria particular, a tentar ajudá-los a desenvolver essas questões de caráter e a formação das virtudes necessárias. Foi quando eu percebi que havia chegado ao limite do que a escola ou o professor podem fazer. E foi quando entendi que tudo o que eu estava fazendo teria resultados muito maiores se fosse ensinado pelos pais em casa. E foi assim que nasceu o curso Ensinar a Estudar.

E é por isso que os módulos do curso seguem essa ordem:

1 – Formando o caráter de um verdadeiro estudante;

2 – A formação leitora completa; e

3 – As estratégias para ensinar a estudar.

Nossa primeira turma online começará agora no dia 4 de fevereiro e caminharemos juntos por todo o ano com aulas semanais e estratégias práticas para serem aplicadas a cada aula, tendo como objetivo final a formação de tutores – pessoas que não apenas sabem ensinar, mas também reconhecer as áreas que podem estar causando dificuldades para que a criança ou adolescente desenvolva sua autonomia na leitura e nos estudos.

Para mais informações sobre o curso, é só clicar aqui. 😊📚✏

Dificuldades nos estudos: uma dica para os pais

Quase sempre, quando eu digo que trabalho com tutoria educacional, a primeira pergunta que as pessoas me fazem é o que seria isso. A segunda, depois que eu explico, é algo parecido com: “Meu filho/sobrinho/neto/afilhado… tem muita dificuldade para aprender. O que será?”
Bom, obviamente eu não tenho como dizer qual a dificuldade da criança numa situação dessas. A avaliação que eu faço leva pelo menos umas três horas, incluindo conversar com os pais, conhecer a casa, ver o material de estudos da criança e as anotações dos professores.
Mas hoje eu queria falar sobre uma coisa que influencia muito no rendimento da criança nos estudos e que, embora pareça óbvio, muitas vezes (muitas mesmo!) os pais não percebem: os problemas de visão. Em geral os professores passam muito tempo olhando as crianças de frente. Isso permite que a gente conheça e reconheça diversas questões relacionadas à forma como eles reagem nas situações. Uma delas é exatamente como eles olham e como leem. Como lidamos com muitas crianças, certas atitudes que fogem do padrão para idade ou contexto chamam a atenção – como o gesto da criança que aproxima demais o livro do rosto para ler, ou aperta os olhos para enxergar a lousa. Mas nem sempre os professores percebem isso e os pais não precisam esperar que a escola solicite para só então levar a criança para fazer um exame de vista.
IMG_20170927_114222_202questão é que não enxergar bem provoca uma série de fatores que têm efeito cascata. Se a criança está com problemas na visão ela vai ter muitas dificuldades para ler e escrever, o que vai acarretar em dificuldade para estudar e em um baixo desempenho nas avaliações e atividades. O baixo desempenho pode acabar causando certo estresse que piora ainda mais a situação porque a criança começa a ficar agitada ou desanimada e se achando “burra” por não conseguir aprender. Aliás, se você usa óculos deve ter percebido que o simples fato de passar um tempo sem eles causa um certo incômodo ou nervosismo, mesmo para quem precisa de graus muito baixos.
Então até aquela agitação e irritação da criança – que alguns vão imediatamente associar a Déficit de Atenção ou algo do tipo – pode ser simplesmente consequência da dificuldade para enxergar bem. O mesmo também pode acontecer com a audição, mas os problemas de visão são bem mais comuns.
Essa é, então, a dica que eu gostaria de dar aos pais: olhem para os seus filhos. A correria do dia a dia muitas vezes faz com que as conversas e atividades sejam feitas enquanto se faz o almoço ou enquanto se olha no celular, mas olhar com atenção é importante. Os relacionamentos em família precisam desse tal “tempo de qualidade” em que as pessoas podem conversar tranquilamente, olhando uns para os outros. É nesse momento que as crianças percebem que você não apenas passa os olhos por elas; você realmente as vê; as enxerga. E, de quebra, são momentos em que você pode perceber se elas estão enxergando bem ou não. E quem sabe não acaba percebendo também outras coisinhas mais? 😉