Seja você também o que quer ver em seus filhos

Hoje de manhã meu pai enviou para nós uma reflexão que ele escreveu. Agora que os filhos já são adultos ele se pôs a pensar em como foi como pai enquanto estávamos sob sua orientação e cuidado.

Eu gostaria de transcrever o áudio todo, porque são conselhos muito bons. Mas por enquanto quero compartilhar um pensamento, dentre todos, que também me faz pensar muito.

Ao aconselhar quem deseja ser um bom pai, ele disse: “Seja você também aquilo que quer ver em seus filhos”. E ao discorrer sobre esse conselho ele disse quantas e quantas vezes já viu, ao longo dos anos, pais que mandavam seus filhos para a igreja porque queriam que seus filhos aprendessem bons princípios e seguissem um bom caminho, mas um caminho que eles mesmos não seguiam. Eu também vi muito isso, não somente na igreja, mas no trabalho em uma escola cristã. Pais que diziam estar colocando seus filhos ali para que eles aprendessem algo bom.

“Mas não é uma grande coisa um pai ou mãe quererem algo bom para seus filhos?”, alguém poderá questionar. Sim, é muito bom. Mas concordo muito com o que meu pai disse depois:

“A boy and his dad”, John Walter, 1968

“Você não pode requerer de seus filhos algo que não ensina NA PRÁTICA. Pais e mães querem ver seus filhos no caminho do bem; mas em não andar por esse caminho estão passando a seguinte mensagem: eu mesmo não creio nesse caminho. Por isso, assim que tiverem chance, as crianças vão abandonar a Deus, a Palavra de Deus, e qualquer relacionamento que foram ensinados a ter porque seus pais não estavam ali. Eu vi isso acontecendo com centenas de crianças”.

Meu pai pode dizer que viu isso porque ao longo de seus mais de vinte anos como pastor, ele sempre teve uma preocupação muito grande com as crianças, o que fez com que nossa família investisse grande parte do tempo no ensino de crianças e adolescentes. Essa, aliás, é uma das razões, se não a principal, pela qual hoje eu trabalho na área da Educação e também meus irmãos estão envolvidos com ensino e educação cristã.

A questão que gostaria de ressaltar aqui é que o fato de alguém enviar a criança para a igreja ou para uma escola cristã não vai tornar essa criança alguém que ama e teme a Deus se em casa ela não vê isso na vida de seus pais.

É possível alguém se tornar uma pessoa diferente daquilo que viu em seus pais? Certamente é possível. É possível uma pessoa vir a tornar-se cristã mesmo vindo de uma família com pais que não viviam essa fé? Sim. Meu pai mesmo pode bem contar isso, assim como outras pessoas. Mas isso, gente, só acontece por uma razão: a Graça de Deus. Pela Graça de Deus o passado de uma pessoa não será fator determinante sobre o seu futuro, porque nada pode impedir a ação de Deus em restaurar uma vida desde seus níveis mais profundos de modo que sua história cumpra o propósito que Ele escreveu.

Mas o conselho do meu pai diz respeito à responsabilidade de um pai ou mãe de educar seu filho. Porque ninguém pode fazer o trabalho dos pais como eles fariam. Esse é um privilégio e responsabilidade exclusivo que Deus concedeu a cada um.

Essa foi a principal razão pela qual eu decidi deixar o trabalho em sala de aula e me dispôr a trabalhar com as famílias: perceber que por mais que eu me esforçasse em meu trabalho como professora, eu nunca poderia educar o caráter das crianças ou mesmo trabalhar a sua formação intelectual de modo integral e profundo. Sim, o papel dos professores, conselheiros e instituições é de grande importância na vida das crianças. Mas nunca será o mesmo dos pais.

Por isso um de nossos ensinos aqui para as famílias tem sido: na formação intelectual ou na educação do caráter da criança, uma das principais ferramentas é o modelo. Se você quer que seu filho goste de ler, torne-se alguém que gosta de ler. Se você quer que seu filho aprenda a estudar sozinho, aprenda antes a estudar sozinho. Se você quer que seu filho se esforce para cultivar as virtudes, trabalhe com todo o seu coração para cultivá-las em seu caráter.

Na base da educação de uma criança estarão os princípios, valores, objetos e pessoas que elas aprenderam a amar. Mas nós não podemos ensinar uma criança a amar algo simplesmente dizendo: Ame isso. Elas aprenderão a amar o que nós amamos. E elas descobrirão o que nós amamos pela forma que agimos, dia a dia, em nossas vidas.

A boa notícia? É muito mais fácil ensinar aquilo que já vivemos. Porque o peso de algo verdadeiro é muito, muito maior.

Outra boa notícia: ser modelo não quer dizer ser perfeito. Ninguém é perfeito a não ser Deus. Ser modelo significa viver buscando aprender. Significa que as crianças verão em nós um contínuo esforço e desejarão viver assim também: crescendo dia a dia no amor a Deus, aos outros, à Verdade, à Bondade e à Beleza, para a glória de Deus.

“Ensina a criança o caminho em que deve andar”, mas ensine enquanto vai com ela pelo caminho.

Com meus pais eu aprendi não só a amar a Deus, mas a amar viver para Ele, amar viver para que outros o conheçam, o amem e vivam a plenitude de vida que só Ele pode dar. Nesse vídeo eu contei um pouco sobre algumas coisas que aprendi com meus pais e que hoje moldam minha vida e meu trabalho:

Qual área da sua vida você gostaria de ver transformada para que seus filhos aprendam com o que você é e vive na prática?

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s