Como estudamos as virtudes?

“Mamãe, a senhora lê mais um pouquinho do livro O vento nos salgueiros? Por favor, só mais um pouquinho!” (Súplica do Felipe, nosso mais novo participante do Valores e Virtudes, em um vídeo engraçado que me mandou a sua super dedicada mamãe Sara).

Essas reações das crianças me animam muitíssimo naqueles momentos em que a gente pensa “Mas será que é este o caminho? Será que isso tudo vale a pena?”.
Então, já que estou reanimada, queria explicar sobre uma questão.
Recentemente eu recebi uma pergunta sobre a forma como trabalhamos as virtudes nesse programa, se eram ensinadas todas de uma vez.
Sim. São dezesseis virtudes e elas se repetem ao longo de todos os livros e histórias. Permitam-me explicar o porquê.
Uma das diretrizes mais importantes desse programa é deixar que a história cumpra o seu papel. Vejam: as boas histórias já possuem em si o “poder” de falar ao nosso coração por meio daquilo que nós chamamos de imaginação moral.
Nossa ideia é não tornar a história um instrumento para ensinar virtudes ou reprovar os vícios, porque não queremos que as crianças associem a leitura com uma aula sobre isso ou aquilo, mas que aprendam a desfrutar da narrativa e “ouvir” o que ela tem a dizer. Se queremos despertar nas crianças o amor pela leitura, precisamos deixar seu caminho livre para que vejam, de fato, a história. (Que é o oposto do que fazemos na escola, quando tornamos a Literatura apenas mais uma disciplina a ser estudada, destrinchando os livros em questões de Gramática, estudo das escolas literárias e tantas análises morfológicas e sintáticas que as crianças e adolescentes não conseguem nem ver graça na própria história).
Então o que nós queremos é apenas ajudar as crianças a, como eu disse recentemente, “aprender a ler com o coração”. Isso quer dizer: que aprendam a perceber não só os encantos e aventuras vividos pelas personagens, mas também os tesouros que as histórias possuem e que podemos trazer para nossa própria vida.
É por isso fazemos o trabalho apenas por meio das conversas e perguntas para que elas percebam as virtudes e vícios surgindo da história e não o contrário. E é por isso que muitas vezes eles acabam percebendo questões que eu mesma não vi enquanto preparava a lição, nem os pais perceberam enquanto liam (e, sinceramente, quando isso acontece é quando eu fico mais feliz).
Agora, é claro que cada história tem uma ênfase maior em alguns vícios ou virtudes específicos. “O vento nos salgueiros” fala muito sobre amizade, serviço, bondade, humildade e outras virtudes mais voltadas aos relacionamentos.
Já “O jovem fazendeiro”, que nós vamos estudar em maio, é uma história que nos leva a pensar sobre a Fortaleza, o Trabalho, a Diligência… Aliás foi por isso que decidi colocar esse livro no Valores e Virtudes enquanto o lia no ano passado. Porque ao ler eu senti vergonha ao perceber quanto até as crianças trabalhavam arduamente naquele contexto, e percebi quanto eu mesma precisava aprender a reclamar menos e me esforçar mais.
***
Se você se cadastrou para receber mais informações lá na página, fica de olho no email porque, se Deus quiser, ainda hoje eu enviarei para todos sobre o próximo mês, tá? (Se ainda não se cadastrou e quer saber como funciona, é só entrar lá: Programa Valores e Virtudes.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s